Connect with us

Hi, what are you looking for?

40graus

Geral

Anac não recebeu pedidos de divisão da Avianca

Autorização é essencial para plano de recuperação

Autorização é essencial para plano de recuperação
Reprodução

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) ainda não foi acionada pela Avianca para dar início a uma etapa essencial no esforço de venda dos ativos da companhia: o órgão não havia recebido nenhum pedido da empresa para emissão dos COA (Certificados de Operador Aéreo) até essa terça-feira (9).

Essa autorização é essencial para o plano de recuperação judicial, que prevê a divisão da Avianca em pequenas unidades operacionais. Seriam uma espécie de “minicompanhias” aéreas que iriam, então, a leilão.

Aprovado na semana passada, o plano de recuperação judicial da Avianca tem como premissa a criação de seis subsidiárias — as UPI (Unidades Produtivas Isoladas). Cada uma dessas unidades terá um grupo de horários de pousos e decolagens nos aeroportos de Congonhas (SP), Guarulhos e Santos Dumont (Rio), atualmente operados pela Avianca. Elas herdarão parte dos atuais funcionários e poderão usar o nome “Avianca Brasil” sem custo por até 180 dias.


Continua depois da Publicidade

Para todo esse pacote, porém, é preciso autorização da Anac: o respectivo COA. É esse o documento que permite a operação de uma companhia aérea de transporte regular de passageiros ou carga. Há, atualmente, 11 autorizações desse tipo emitidas pela agência sendo uma para a OceanAir — razão social da Avianca no Brasil – documento que não é divisível.

Seis meses

Credores trabalham com a expectativa de que os certificados serão emitidos até 3 de maio. A data é mencionada no plano de recuperação judicial, que admite a possibilidade de prorrogação por “prazos sucessivos de 30 dias”. O adiamento parece necessário, já que documentos da própria Anac indicam que o tempo pode ser de até 180 dias.

A Anac confirmou o prazo, mas informou que, a depender do processo, ele pode ser encurtado. Sobre o caso da Avianca, a agência esclareceu que a emissão dessas autorizações considerará “cada Unidade Produtiva como uma subsidiária independente e que, portanto, deve comprovar que possui os requisitos operacionais para se constituir empresa aérea”.

“Ou seja, cada uma das UPIs deverá demonstrar capacidade para comercialização e operação dos voos, onde a segurança é o principal item a ser avaliado”, informou a agência por meio da assessoria de imprensa. Procurada a Avianca não quis comentar o assunto.

Source: R7


Continua depois da Publicidade

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Futebol

This website uses cookies to improve your experience while you navigate through the website. Out of these cookies, the cookies that are categorized as...

Futebol

Neste sábado, CSA e Avaí empataram por 1 a 1, no Estádio Rei Pelé em uma partida da Série B do Brasileiro que ficou...

Futebol

This website uses cookies to improve your experience while you navigate through the website. Out of these cookies, the cookies that are categorized as...

Futebol

O Operário continua na luta pelo acesso para a primeira divisão. Jogando dentro de seus domínios, a equipe derrotou o CRB nesta quinta por...