Connect with us

Geral

Governo quer aperfeiçoar leilões de energia, diz ministro

Published

on

Programa deve incluir mudanças em regras de leilões

Programa deve incluir mudanças em regras de leilões
José Cruz/Agência Brasil

O programa do governo do presidente Jair Bolsonaro para incentivar a indústria de gás natural no Brasil deve incluir mudanças em regras de leilões para contratação de novas usinas de energia elétrica, de forma a facilitar a viabilização de novas termelétricas movidas pelo insumo, disse nesta segunda-feira (29) o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Em evento em Brasília sobre o programa, que vem sendo chamado no governo de “Novo Mercado de Gás Natural”, o ministro disse que a integração do combustível com os setores elétrico e industrial será um dos eixos estruturantes da iniciativa.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem apresentado o programa para o gás como um conjunto de medidas que poderia gerar “um choque de energia barata” para a indústria.


Continua depois da Publicidade

Nesta segunda-feira (29), o ministro de Minas e Energia afirmou que o programa envolverá “aperfeiçoar os leilões de energia para absorver oportunidades de oferta de gás a preços mais competitivos, de forma que a indústria se beneficie de novas ofertas ancoradas na demanda termelétrica.”

O ministro, no entanto, não detalhou as medidas que poderão ser tomadas nos leilões.

“Tal medida, aliada à harmonização das legislações estadual e federal, tem potencial de impactar de forma significativa a atividade industrial, com aquecimento de investimentos em siderurgia, produção de fertilizantes, petroquímica, cerâmica, dentre outras áreas”, acrescentou Albuquerque.

Veja também: Ministro Paulo Guedes promete reduzir o preço do gás pela metade

Ele afirmou que o sistema elétrico deverá contar com uma expansão de cerca de 5 mil megawatts na capacidade termelétrica a gás até 2027, saindo de cerca de 13 mil megawatts atualmente, conforme previsto no PDE 2027 (Plano Decenal de Energia 2027).

Haveria ainda espaço para térmicas a gás serem utilizadas para complementação de potência no sistema elétrico, devido à variabilidade da produção de usinas solares e eólicas. O PDE aponta que o sistema precisará de cerca de 13 mil megawatts em tecnologias para essa complementação até 2027.

O ministro disse ainda que as medidas para o gás natural visam promover a livre concorrência no setor, ao incentivar a participação de novos agentes, e aperfeiçoar regulamentações estaduais sobre o tema, além de buscarem maior alinhamento entre as regras estaduais e federais.

Source: R7


Continua depois da Publicidade

Bombando