Connect with us

Cidades

Incômodos na voz podem ser indícios do desenvolvimento de doenças graves

Published

on

De uma hora pra outra, Luzinete Lima Rocha ficou sem falar uma palavra sequer – Foto: Ascom Sesau

De uma hora pra outra, Luzinete Lima Rocha ficou sem falar uma palavra sequer – Foto: Ascom Sesau

Imagine a pessoa, de uma hora para a outra, não conseguir falar uma palavra sequer. Foi o que aconteceu com a cortadora de cana Luzinete Lima Rocha, de 71 anos, que precisou ser levada com urgência ao Hospital Geral do Estado (HGE). O caso dela está relacionado ao acidente vascular cerebral, mas se engana quem pensa que esse risco só está relacionado a doenças graves. Um jovem sadio, mas que não cuida da saúde de sua voz, também está passível a esse susto.

O alerta é da fonoaudióloga Ana Paula Cajaseiras. Ela explica que cada pessoa tem sua extensão vocal e predisposição a desenvolver enfermidades. Assim sendo, é possível que um indivíduo seja acostumado a utilizar uma voz desajustada, que sobrecarrega a musculatura, podendo gerar fadiga e até nódulos.

“Isso pode ocorrer, por exemplo, quando um cantor não cuida da voz antes e depois da apresentação. Quando o operador de telemarketing inicia os atendimentos sem atentar-se à hidratação. Quando o professor ministra muitas aulas diárias em tom excessivo. Quando alguém fuma, consome excessivamente bebidas muito geladas e alcoólicas, come muitos alimentos condimentados e abusam nas soluções paliativas que podem mascarar a lesão”, exemplificou a especialista.


Continua depois da Publicidade

O pigarro excessivo, a rouquidão prolongada, o desconforto vocal excessivo e o cansaço ao falar também podem ser sintomas do desenvolvimento de doenças graves. “Quando se chega a um quadro de disfonia é possível existir o câncer de cabeça-pescoço. Nesse caso, no HGE, nós realizamos orientações, definimos a melhor forma de realizar a alimentação, e encaminhamos a um hospital referenciado nesse tipo de assistência”, explicou Ana Paula Cajaseiras.

Porém, ainda que a doença seja curada, a fonoaudióloga atenta que as sequelas podem surgir e evoluir para uma deficiência que impeça o cantor, o operador de telemarketing, o professor ou qualquer outro profissional de continuar com suas funções

“Daí entra o drama psicológico e muitas vezes financeiro pelo desvio de função, pela frustração de não poder mais realizar aquilo que para si tanto era importante”, enfatizou.

Luzinete Lima Rocha está com a saúde devidamente tratada pela equipe multiprofissional da Unidade de AVC, mas sabe que sua voz permanecerá rouca e com dificuldades.

“Confesso que não sabia que o fumo podia prejudicar minha voz. Sou viúva, tenho 13 filhos, e nem lembro com quantos anos comecei a fumar. Tomo meus remédios por causa da diabetes e hipertensão, mas não estava consciente dos outros tantos riscos. Foi tão agoniante não conseguir falar, que eu não quero viver isso de novo e nem desejo que outras pessoas passem por isso”, disse a cortadora de cana, que vive na zona rural de Boca da Mata.

Então, para conscientizar a população, a fonoaudiólogia do HGE promove na segunda-feira (17), uma palestra dentro do maior hospital público de Alagoas sobre a saúde vocal. Porém, para o conteúdo entrar nos lares alagoanos, uma agenda de entrevistas está na programação da equipe a ser proposta aos meios de comunicação. As ações são alusivas ao Dia Nacional da Voz, celebrado neste domingo, 16 de abril.

Let’s block ads! (Why?)

fonte: Correio Notícia


Continua depois da Publicidade

Bombando