Connect with us

Geral

Marinho diz que presidente de comissão fará “bom trabalho”

Published

on

Marinho afirma que equipe vai defender proposta

Marinho afirma que equipe vai defender proposta
FÁBIO VIEIRA/FOTORUA/ESTADÃO CONTEÚDO

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Roberto Marinho, afirmou nesta quinta-feira (25) o presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), é “extremamente qualificado” e que vai fazer “um bom trabalho”. 

O nome de Ramos foi anunciado na manhã desta quinta pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. A relatoria do projeto ficará com o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

Segundo Marinho, a escolha levou em conta afinidade com o tema, consistência e experiência em processos complexos como é o caso da reforma da Previdência. 

Marinho afirma que a equipe econômica vai defender que proposta de reforma da Previdência seja aprovada “na integralidade”, para que gere economia de R$ 1,3 trilhão às contas públicas. 


Continua depois da Publicidade

Aprovada na CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) da Câmara dos Deputados, a proposta segue para comissão especial na Casa — instaurada nesta quinta —, onde o mérito do texto será analisado pelos parlamentares. 

Marinho diz que “o mais importante nesse momento é que tenhamos clareza e transparência [sobre a reforma]”.

Passo a passo da reforma

A proposta de reforma da Previdência foi aprovada na CCJ (Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça) da Câmara dos Deputados na noite de terça-feira (23). 

O texto segue para ser analisado em uma comissão especial da Câmara, onde será analisada em até 40 sessões do plenário. O próximo passo, caso aprovada, é seguir para a Câmara dos Deputados, onde será votada por todos os parlamentares.

O texto será submetido a dois turnos de discussão e votação na Casa, sendo que precisa de três quintos dos votos dos deputados — 308 votos, em votação nominal.

No Senado, a proposta será analisada pela CCJ da Casa e pelo plenário. São necessários 49 votos para que a reforma seja aprovada.

Se o Senado aprovar a proposta recebida da Câmara integralmente, o texto será promulgado em seguida pelo Congresso Nacional, tornando-se uma emenda à Constituição. Se houver mudanças, a proposta volta para as Casas para ser reanalisada.

Source: R7


Continua depois da Publicidade

Bombando