Connect with us

Geral

OAB: reforma não pode tirar FGTS de aposentado que seguir na ativa

Published

on

OAB: Proposta abole direitos e garantias fundamentais

OAB: Proposta abole direitos e garantias fundamentais
Pixabay

A OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil) emitiu uma nota técnica na qual julga ser inconstitucional o trecho da reforma da Previdência que determina a perda da multa de 40% do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) aos profissionais que continuarem trabalhando após se aposentarem.

No documento, a entidade avalia que as indenizações compensatórias, direitos individuais e garantias fundamentais “não podem ser limitadas ou abolidas” aos empregados e aposentados por meio da emenda constitucional.

“Verifica-se patente inconstitucionalidade ao se pretender estabelecer uma exceção, com relação ao trabalhador aposentado, não autorizada pelo constituinte originário, tendente a abolir direito e garantia individual fundamental relacionada ao FGTS e a proteção à relação de emprego do trabalhador aposentado”, afirma a OAB-SP.

Leia mais: CCJ adia votação da reforma da Previdência para depois da Páscoa

“Tal limitação ou restrição não foi estabelecida pelo poder constituinte originário, não sendo possível, assim, ao constituinte reformador estabelecer exceção que afete direitos e garantias individuais fundamentais”, explica o texto.


Continua depois da Publicidade

Para a entidade, já foi definido pelo STF (Supremo Tribunal Federal), em 2007, que “a concessão de aposentadoria voluntária a empregado não implica automaticamente a extinção da relação laboral”.

A nota ainda destaca ainda que esta não é a primeira vez em que uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do tipo é apresentada. A OAB, no entanto, observa que a “clara modificação da finalidade constitucional” torna o trecho da proposta em tramitação no Congresso Nacional ilegítimo.

“No caso em análise, há clara modificação da finalidade constitucional, e, pior, por via transversa abole-se direitos e garantias fundamentais, cláusulas pétreas, caracterizada, assim, sua inconstitucionalidade material”, destaca o documento.

A nota técnica é assinada pelo presidente do Conselho Seccional da OAB-SP, Caio Augusto Silva dos Santos, pelo presidente da Comissão de Direito do Trabalho da OAB-SP, Jorge Pinheiro Castelo, e pela coordenadora de Direito Individual da Comissão de Direito do Trabalho da OAB-SP, Adriana Calvo.

Source: R7


Continua depois da Publicidade

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bombando