Connect with us

Hi, what are you looking for?

40graus

Cidades

Prefeitura de Joaquim Gomes realiza programação em celebração ao Dia Nacional da Luta Antimanicomial

No dia 18 de Maio, realizamos uma grande caminhada contra o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes, no município. Mas a nossa luta não acabou por aí, neste mesmo dia também é marcado como o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, e foi na manhã desta terça-feira, (28) de maio, que realizamos um evento em alusão ao dia, através do Centro de Atenção Psicossocial de Joaquim Gomes, com todos os usuários do CAPS, em frente à unidade de apoio.


A Secretária Municipal de Assistência Social, Danielle Praxedes, junto com o Secretário de Esporte, Carlos Jovino, Coordenador da Atenção Básica, Edilson Marques, representante do pólo base da Aldeia Wassu Cocal, a psicóloga Lysia Bonfim, e toda a equipe do Centro de Atenção Psicossocial – JG, participaram do ato.
Uma galeria com artesanatos, desenhos em telas e tecidos, feitos pelos usuários, ficaram expostas ao público, como forma de mostrar os talentos e dons de pessoas que possuem algum tipo de transtorno na saúde mental. Músicas e apresentações também fizeram parte do evento.


Segundo o psicólogo e coordenador do CAPS JG, Thiago Duarte, o 18 de Maio marca a luta que reforça a importância de se ultrapassar formas excludentes e violentas de tratamento das pessoas em sofrimento mental em prol da reinserção social daqueles que, por muitas décadas, foram considerados como uma ameaça à sociedade. Em entrevista Thiago agradeceu ao Prefeito Adriano Barros, por dar o total apoio em ações voltadas à área da Saúde, como também em outros setores da administração municipal.


O Movimento da Reforma Psiquiátrica se iniciou no final da década de 70, em pleno processo de redemocratização do país, e em 1987 teve dois marcos importantes para a escolha do dia que simboliza essa luta, com o Encontro dos Trabalhadores da Saúde Mental, em Bauru/SP, e a I Conferência Nacional de Saúde Mental, em Brasília.
Com o lema “por uma sociedade sem manicômios”, diferentes categorias profissionais, associações de usuários e familiares, instituições acadêmicas, representações políticas e outros segmentos da sociedade questionam o modelo clássico de assistência centrado em internações em hospitais psiquiátricos, denunciam as graves violações aos direitos das pessoas com transtornos mentais e propõe a reorganização do modelo de atenção em saúde mental no Brasil a partir de serviços abertos, comunitários e territorializados, buscando a garantia da cidadania de usuários e familiares, historicamente discriminados e excluídos da sociedade.

Por Anderson Claudio.


Continua depois da Publicidade


Continua depois da Publicidade

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também