Connect with us

Hi, what are you looking for?

40graus

Geral

Procuradoria pede prisão preventiva de Temer no inquérito dos Portos

Inquérito teria beneficiado empresas do setor portuário

Inquérito teria beneficiado empresas do setor portuário
Adriano Machado/Reuters – 28.05.2018

Os procuradores da força-tarefa Greenfield recorreram nesta segunda-feira (6), à à 12ª Vara de Justiça, da decisão que negou a prisão preventiva do ex-presidente Michel Temer, coronel Lima e Carlos Alberto Costa, no processo relacionado ao inquérito dos Portos.

Os membros da força-tarefa classificam a detenção do ex-presidente como “fundamental” para resguardar a integridade das investigações e da instrução criminal, bem como as ordens econômica e pública.

O pedido de prisão foi apresentado inicialmente pelos procuradores em abril, ocasião em que foi negado. Agora, o recurso foi enviado à 12ª Vara de Justiça que, se mantiver o indeferimento, remeterá ao TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região).

Temer vira réu por organização criminosa e obstrução de justiça

O pedido de prisão leva em conta o decreto assinado em maio de 2017 por Temer que teria beneficiado empresas do setor portuário, incluindo a Rodrimar. A investigação que apura a relação do ex-presidente com a empresa foi aberta em setembro de 2017. 


Continua depois da Publicidade

Na ação, o emedebista foi acusado formalmente pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em dezembro, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O ministro Luís Roberto Barroso, relator inquérito que investiga o “Decreto dos Portos” no STF (Supremo Tribunal Federal), aponta que o esquema de concessão de benefícios públicos no setor dos portos em troca de recursos privados para fins pessoais e eleitorais pode estar em andamento há mais de 20 anos.

Outras denúncias

A 12ª Vara de Justiça Federal também aceitou nesta terça-feira (7) as duas denúncias oferecidas pela Operação Greenfield contra Temer por organização criminosa, com o chamado “Quadrilhão do MDB”, e obstrução de justiça pelo encontro com Joesley Batista, no Palácio do Jaburu, lembrado pela frase “tem que manter isso, viu?”. O primeiro caso, foram denunciados também os ex-ministros Eliseu Padilha e Wellington Moreira Franco.

Na acusação de organização criminosa, a Operação Greenfield aponta que Temer, Padilha e Moreira Franco praticaram ações ilícitas em troca de propina por meio da utilização de diversos órgãos públicos. O “Quadrilhão” teria utilizado a Petrobrás, Furnas, a Caixa Econômica, o Ministério da Integração Nacional e a Câmara dos Deputados para negociar interesses alheios ao bem público.

Quanto ao crime de embaraço, a acusação contra Michel Temer é de instigar Joesley Batista a pagar, por meio de Ricardo Saud, vantagens a Lúcio Funaro. O objetivo seria impedir que esse último realizasse acordo de colaboração premiada com o MPF.

Source: R7


Continua depois da Publicidade

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Futebol

This website uses cookies to improve your experience while you navigate through the website. Out of these cookies, the cookies that are categorized as...

Futebol

[unable to retrieve full-text content] Continua depois da Publicidade O post Após goleada, Roberto Fernandes exalta jogadores do CRB e fala do objetivo alcançado...

Futebol

Nesta terça-feira, Botafogo-SP e CSA se enfrentaram em Ribeirão Preto pela 36ª rodada da Série B do Brasileiro. A equipe de Maceió venceu por...

Futebol

Nas rodadas finais da Série B do Campeonato Brasileiro, o CSA busca a vitória diante do Botafogo-SP para tentar estar entre os quatro primeiros...