Connect with us

Hi, what are you looking for?

40graus

Geral

Tensão marca debate com Guedes sobre modelo de capitalização

Houve início de bate-boca entre Guedes e parlamentares durante audiência na CCJ

Houve início de bate-boca entre Guedes e parlamentares durante audiência na CCJ
André Coelho/Estadão Conteúdo

O debate sobre a introdução do modelo de capitalização produziu um dos momentos mais tensos da audiência pública do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara nesta quarta-feira (3). Guedes provocou os parlamentares do PT ao afirmar que a ex-presidente da República Dilma Rousseff foi a primeira a fazer a capitalização ao instituir o Funpresp (a aposentadoria complementar dos servidores públicos). A resposta irônica do ministro provocou críticas e início de novo bate-boca, logo contido.

Em resposta a deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), o ministro voltou a ser irônico. Mattos, que é da Previ (fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil), questionara Guedes sobre o modelo de capitalização proposto pelo governo na reforma da Previdência.

“O senhor é um felizardo beneficiário (da capitalização), eu gostaria que os outros pudessem usufruir”, disse o ministro. “Então, o regime em si não é tão ruim”, acrescentou. Guedes disse que era preciso de gente da qualidade do deputado para gerir os fundos previdenciários.


Continua depois da Publicidade

O ministro afirmou que a capitalização proposta pelo governo não representa um desmanche do sistema atual de Previdência. “Estamos abrindo uma porta para o regime de capitalização, mas ele é optativo”, disse.

Guedes voltou a afirmar que, se a reforma da Previdência não for aprovada com alguma potência fiscal, a capitalização não será apresentada pelo governo. “Fiquem tranquilos!”, disse.

Ele pregou o diálogo sobre a discussão da capitalização e lembrou que a proposta da Previdência garante um salário mínimo para os aposentados. “Vamos exigir que exista um salário mínimo garantido. Ninguém vai receber menos. Está escrito na PEC”, ponderou.

Menos paixão

O ministro apelou para a necessidade de a discussão ser menos passional. “Não podemos ser superficiais. Ficamos apaixonados. A eleição acabou há três meses. Não dá para apaixonar. O governo foi eleito”, disse ele, acrescentando que o jovem vai escolher em qual regime quer entrar: o antigo ou a capitalização.

Diante dos ataques da oposição, o ministro disse que não iria cair na provocação dos parlamentares. “Vou seguir o rito”, disse.

O ministro aproveitou para alfinetar os deputados do PT ao destacar que todos sabiam que fez um aumento irresponsável das desonerações e subsídios. “Quem mais fez desoneração de 2% para 4% do PIB, todo o mundo sabe quem cometeu essa irresponsabilidade fiscal de dar dinheiro para campeões nacionais e grupos próximos”, cutucou. Guedes ponderou que as eleições aconteceram e mudaram essa situação.

Para ele, o Brasil quebra, se não houver uma reforma fiscal com uma alguma potência. Mas disse que o problema previdenciário segue para frente com filhos e netos a bordo, se não for feita. “Convive com o drama quem não aprende com a própria experiência” comentou.

Ele ainda prometeu atacar as renúncias e fazer a reforma tributária.

Source: R7


Continua depois da Publicidade

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Futebol

A Ponte Preta venceu o CRB por 3 a 1, na noite deste domingo, no Moisés Lucarelli, pela Série B. Mesmo com a vitória,...

Futebol

Pela 37ª rodada da Série B, a equipe do CSA recebeu o Brasil de Pelotas, nesta sexta-feira, no estádio Rei Pelé. As duas equipes...

Futebol

This website uses cookies to improve your experience while you navigate through the website. Out of these cookies, the cookies that are categorized as...

Futebol

[unable to retrieve full-text content] Continua depois da Publicidade O post Após goleada, Roberto Fernandes exalta jogadores do CRB e fala do objetivo alcançado...